As principais diferenças entre mídia espontânea e anúncio

A conquista de resultados por meio de mídia espontânea é a principal estratégia das Assessorias de Imprensa

As principais diferenças entre mídia espontânea e anúncio

Entre os assessores de imprensa, uma dúvida comum que aparece por parte das empresas contratantes está relacionada a inserção de notícias em canais jornalísticos de forma espontânea ou paga. Cada estratégia possui particularidades e sua devida importância, sendo que a principal é a forma que determinado conteúdo chega até o veículo de comunicação.

Para se ter uma ideia, a mídia espontânea, como o próprio nome sugere, se caracteriza pela divulgação de notícias de maneira orgânica, passando pela avaliação de profissionais da comunicação antes que a publicação seja feita. Essa análise, realizada pelos jornalistas, acontece de maneira criteriosa, com apuração realizada previamente, e faz com que a pauta seja aceita ou não.

Já o anúncio acontece por meio da publicidade ofertada pelos veículos de comunicação, podendo apresentar diversos formatos e objetivos. Os resultados conquistados por este meio são pagos e acontecem após uma negociação comercial entre a empresa e o canal escolhido.

O anúncio e sua precificação

É importante ressaltar que, dependendo do tipo de publicidade escolhida, o valor investido pode chegar na casa do milhão, considerando, principalmente, o canal midiático. Em portais de notícias, hospedados no ambiente online, o valor costuma ser inferior. Por outro lado, o formato televisivo apresenta fatores que podem aumentar o investimento em publicidade, sendo eles:

  • Duração: geralmente, o anúncio é comercializado utilizando como uma base de tempo 30 segundos. Quanto maior o tempo de exibição, maior o valor destinado à publicidade.
  • Horário: o famoso “horário nobre” é o que custa mais caro para as marcas anunciarem. É neste período que o valor da publicidade, variando de acordo com o veículo, torna-se um investimento alto dependendo da exposição almejada.
  • Veículo: a maior variante de precificação é o canal escolhido. Dependendo da mídia, o anúncio pode acontecer entre a programação, o que conhecemos como “comerciais”, ou durante o programa, sendo feito pelos próprios apresentadores.

Por mais que essa seja uma estratégia de comunicação comum entre as marcas, é importante entender quem é o público-alvo da empresa e qual a mensagem que se deseja levar. Muito utilizada para negócios B2C, também é necessário tomar cuidado com o formato escolhido, para que não seja visto com maus olhos por parte do espectador.

A credibilidade da mídia espontânea

O teor jornalístico vinculado diretamente à mídia espontânea faz com que seja inegável a credibilidade que essa estratégia possui. Além disso, o fato de o assunto ter de ser avaliado por profissionais experientes permite que a notícia seja divulgada apenas caso tenha apelo e conteúdo pertinente. Na publicidade, por exemplo, estes pontos não são levados em conta.

O assessor de imprensa é responsável por fazer essa ponte com os jornalistas de redação, levando até eles conteúdos diversos sobre empresas e especialistas, previamente apurados. Ainda assim, geralmente, uma nova apuração é realizada, com o objetivo de mapear as informações em questão. O relacionamento entre marca e veículo também é responsabilidade destes profissionais.

Por isso, é fundamental ter um Relações Públicas que faça com que a comunicação de determinada empresa seja feita de forma coerente, analisando o cenário vivido como um todo. Pensando sobre o momento atual que vivemos, exploramos essa temática no último artigo divulgado em nosso blog.

Outro ponto fundamental para que essa credibilidade ganhe força é o marketing pessoal dos porta-vozes. O LinkedIn, por exemplo, é uma plataforma altamente indicada para que o perfil pessoal de especialistas tenha cada vez mais visibilidade. Ao unir a estratégia de mídia espontânea a conteúdos produzidos para profissionais com know-how consolidado, resultados ainda superiores surgirão. Isso acontece, pois, impulsionar uma marca na mídia vai muito além de levar notas ou press releases aos jornalistas, é necessário demonstrar a expertise por trás daquela empresa.

Aproveito para destacar que não há certo ou errado na hora de escolher entre a mídia espontânea ou anúncio. De fato, é importante entender quem é seu público e qual mensagem você deseja levar até ele (para isso, recomendamos, inclusive, que a persona seja desenhada). Independentemente da estratégia definida, o trabalho de comunicação é contínuo e apresenta inúmeros benefícios ao posicionamento da marca. O apoio do profissional de Relações Públicas é essencial para que essa definição seja feita corretamente.

Bianca Bispo é Assessora de Imprensa na IDEIACOMM.

Compartilhe este conteúdo

Talvez essas publicações também te interessem!

ÚLTIMOS CONTEÚDOS

Categorias

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS